LIGA DA JUSTIÇA ATERRIZA NO BRASIL

SINOPSE DO FILME:

Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman (Henry Cavill), Bruce Wayne (Ben Affleck) convoca sua nova aliada Diana Prince (Gal Gadot) para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes – Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman (Jason Momoa), Cyborg (Ray Fisher) e Flash (Ezra Miller) -, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.
Não recomendado para menores de 12 anos
MAIS SOBRE
Uma força malévola, de berço alienígena, se vale de uma lacuna, no enredo de Liga da Justiça: a Terra já não conta com a presença do protetor Superman (Henry Cavill). Baixa mais sentida de Batman vs. Superman: A origem da justiça (2016), o Homem de Aço será o responsável pela integração dos cinco meta-humanos dispostos no novo filme de Zack Snyder (produtor de Mulher-Maravilha e criador de 300). Com o roteirista Joss Whedon, que formulou o grupo da Marvel Os Vingadores (em dois longas), o parceiro Chris Terrio (de Batman vs. Superman e Argo) adaptou a ideia das caixas maternas do mago dos quadrinhos Jack Kirby que, nos anos 1970, criou os denominados Novos Deuses.
Na trama de Liga da Justiça, as tais caixas, que ressonam altos poderes, são esperadas como computadores descomunais que virão a embaralhar a vida de moradores de Atlantis (terra natal de Aquaman), Temiscira (berço grego da Mulher-Maravilha) e, claro, dos terráqueos. Entre 180 personagens com nomes e 3000 figurantes, Liga da Justiça promete concentrar peso no vilão Steppenwolf (o irlandês Ciarán Hinds, de Game of Thrones), que, com quase 2,5 metros, vem de Apokolips, ladeado de destruidores parademônios.
Tratado como “formidável” inimigo, por Deborah Snyder, produtora do filme candidato a blockbuster, o Lobo da Estepe (como descrito em bom português) vai catalisar a formação da Liga da Justiça. “Não existe um tempo para entrosamento pleno e muitas práticas de exercícios entre os heróis”, demarca Deborah, no material de divulgação do longa.
Da Central City (a cidade do afoito Flash) à Atlantis de Aquaman, passando por Paris, Metrópolis (lar de Superman, e, claro, de bandidos que ameaçavam a tranquilidade dele) e Smallville (um primeiro lar para o Homem de Aço), são muitas as comunidades inseridas na trama, que, curiosamente, foi posta de lado, em 2009, quando da prevista condução de George Miller (diretor de Mad Max), dado azar de o projeto ter sido achatado entre desentendimentos, a greve dos roteiristas de Hollywood e o resultado pífio do longa da DC Lanterna Verde.
Com tantos lugares a serem revisitados na telona, a Gotham City de Batman não ficou de fora do filme que tem direção de fotografia de Fabian Wagner (de Game of Thrones) e música do celebrado Danny Elfman. Menos obscuro, Bruce Wayne (leia-se Batman) se alia ao idealismo da Mulher-Maravilha, na formação de novas frentes, no objetivo de salvar a humanidade. Zelando pela aura de mistério de Batman, o ator Ben Affleck esclareceu, em entrevistas no exterior, que, mais do que “aceitar” apoio, Batman “vai em busca de ajuda”. O modelo inspirador de Superman é implantado em Batman, vigilante e com alta capacidade de dedução, e que, humano, serve de elo entre mundos. Affleck elogia a “energia de menino” dispersa pelo diretor Zack Snyder.
“Nos três primeiros dias, vendo aqueles caras (os colegas de elenco) todos com os figurinos, junto comigo, aquilo me fez rir demais, já que tudo parecia tão surreal”, observa a intérprete da Mulher-Maravilha, Gal Gadot. Para além das imagens quase integralmente em estúdios londrinos, Liga da Justiça trouxe uma infraestrutura de cinema impensável para a Islândia: 36 pessoas da equipe e sobrevoos de três helicópteros alteraram a pacata rotina da vila de Djúpavík.
Todos juntos
Recrutado a partir de Central City, o jovem e entusiasmado Barry Allen atenderá, em breve, na trama, pelo codinome The Flash. Agitado, o estudante de direito tem pensamento ágil, mas hesita, perplexo, em atender à formulação da equipe dos novos heróis. “Ele, assustado, apenas desperta para seus poderes. Mas tem em vista que existe uma oportunidade a sua espera”, explicou o ator Ezra Miller, nas informações prévias ao lançamento do filme.
Junto com os atores Jeremy Irons (que volta, na pele do mordomo Alfred), e com as atrizes Amy Adams (a amada de Superman, Lois Lane), Diane Lane (Martha Kent, mãe do Homem de Aço), o principiante Ray Fisher, na pele de Victor Stone, traz para primeiro plano aspectos tecnológicos da fita, encarando a transformação em Ciborgue. No laboratório S.T.A.R., comandado pelo pai Silas Stone (Joe Morton), Victor será um rapaz transformado em máquina, com operação incessante.
Aparatos virtuais compactados no próprio corpo aproximam Ciborgue dos invasores da Terra. O cientista Silas, passado um acidente, coloca o filho numa linhagem de perpétuo processamento de dados, com capacidades como a de consertar computadores, por acesso mental, numa interface plena.
Junto com a percepção do melhor e do pior da humanidade, também detectada por Mulher-Maravilha, Aquaman (Jason Momoa) traz, igualmente, como filho de uma representante de Atlantis, uma origem algo forjada pelos deuses. Real dono de oceanos ainda por serem desbravados, Aquaman terá no filme o tridente poderoso, a capacidade de respiração subaquática e uma inalcançável velocidade de nado.
CURIOSIDADES, BASTIDORES E ATÉ SEGREDOS DO FILME:

Apenas algumas mudanças, certo?

Em 2007, George Miller, da franquia Mad Max, seria o diretor do filme. Em outubro desse ano ele já tinha o elenco
selecionado para o filme, mas essa seleção é bem diferente da que acabou se consolidando no longa. Na época, os nomes eram: D.J. Cotrona seria o Superman;
Armie Hammer, o Batman; Megan Gale daria vida à Mulher Maravilha; Common seria o Lanterna Verde; Adam Brody, o Flash; Santiago Cabrera , o Aquaman;
Hugh Keays-Byrne seria Martian Manhunter; Teresa Palmer seria Talia al Ghul; e Jay Baruchel seria o Lorde Maxwell.

Inspirado no HQ
Baseada na história
em quadrinhos Liga da Justiça.

Opções
Jason Reitman e as irmãs Lana Wachowski e Lilly Wachowski foram consideradas para assumirem a direção do longa.

Reencontro
Ben Affleck e J.K. Simmons já trabalharam juntos em O Contador (2016).

Momento delicado
Zack Snyder e sua esposa, a produtora Deborah Snyder,tiveram que abadonar a produção durante um tempo devido à morte da filha dele em março de 2017.
Quem ficou no lugar do cineasta foi Joss Whedon,da franquia Vingadores, que, de tão polêmico, chegou a demitir o compositor de Zack Snyder, Junkie XL.

Haja dinheiro!
Depois que Joss Whedon
integrou a equipe, diversas cenas tiveram ser refeitas, o que custou US$ 25 milhões.

Para que maquiagem quando existe tecnologia?
Falando em refilmagem, Henry Cavill teve que regravar algumas cenas, mas o ator já estava trabalhando em Missão Impossível 6, no qual interpretaria um personagem com bigode.
Portanto, o bigode teve que ser apagado digitalmente.

Quem aí assistia?
Lançado no mesmo dia em que foi lançado o primeiro episódio de Liga da Justiça (2001).

Não está fácil pra ninguém
Para ser a Mulher Maravilha, Gal Gadot praticou diversos esportes, entre eles: Jiu-Jitsu e Capoeira.

Parceria
Para saber trabalhar melhor
com o uso de tecnologia na captura de movimentos, Ciarán Hinds pediu conselhos a sua amiga Liam Neeson, que já teve experiências desse tipo com Sete Minutos
Depois da Meia-Noite (2016).

Por dentro do universo do HQ
É a segunda vez que J.K. Simmons e Willem Dafoe se encontram em um filme baseado em histórias de quadrinho.
O primeiro foi o Homem-Aranha de Sam Raimi.

Não era para ser
Laurence Fishburne ia fazer uma participação especial no filme como Perry White, mas não pode por
conflitos de agenda.

Dois anos antes
Chris Terrio escreveu o primeiro roteiro em julho de 2015.
Pra ninguém colocar defeito

O elenco inclui três ganhadores
do Oscar (Ben Affleck, Jeremy Irons e J.K. Simmons) e quatro indicados (Amy Adams, Willem Dafoe, Diane Lane e Jesse Eisenberg).

E por aí vai
Danny
Elfman já tem experiência com filmes de super-heróis. Ela já trabalhou com Tim Burton nos filmes do Batman, com Sam Raimi nos do Homem-Aranha, entre outros.

Entre as referências
Zack Synder comentou que se baseou levemente no filme Os Sete Samurais (1954) para fazer este longa-metragem.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *